****************** Um blog dedicado ao meus alunos da Rede Pública e Privada de Ensino. ******************

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Carta de alunos do Colégio Estadual Joaquim Távora
 contra a aplicação do Saerj
Niterói, 29 de Junho de 2011

Vimos por meio desta informar que os alunos de terceiro ano do Colégio Estadual
 Joaquim Távora protestam a aplicação da prova “SAERJINHO”.

É uma indignidade  ver o descaso com que a educação é tratada no Estado do Rio
 de Janeiro. Lutamos por uma educação pública de qualidade, não podemos nos
 omitir e deixar que o nosso futuro seja destruído pelo descaso das autoridades
para com a educação das camadas populares. Apoiamos sim a greve dos professores!

É um absurdo que em plena greve seja aplicada o SAERJINHO, um Sistema de
Avaliação da Educação. A  escola conta com a presença dos alunos, mas sem
 aula, provavelmente é de se esperar que faltem alunos. E a responsabilidade
não pode cair em nossas costas, além de todo esse descaso, sofremos também
 com a falta de comunicação, os poucos alunos que compareceram hoje 29/06/2011
 a escola, todos foram pegos de surpresa com a notícia da aplicação da prova.

Não cabe a nós fazermos uma prova que além da avaliar nossa inteligência,
servirá também para medir o salário que o profissional da educação irá receber.
 O índice de avaliação do Estado do Rio de Janeiro só será melhorado se houver
 maiores investimentos na educação, incluindo salários dignos aos professores
da rede pública e não simplesmente com a aplicação de uma prova.

Estamos buscando os nossos direitos, queremos dignidade. Então vamos lutar
para conquistar. Respeito à educação, SAERJ não!


http://www.seperj.org.br/ver_noticia.php?cod_noticia=2215




01/07/2011: Profissionais foram a um supermercado
 na manhã desta sexta em protesto contra os baixos
 salários no estado

Como parte da Campanha
"A Educação tem fome", os
profissionais das escolas da
rede estadual, em greve
desde o dia 7 de junho,
foram ao supermercado Mundial,
 no Bairro de Fátima (Centro do Rio),
 para fazer compras com os cartões
 do "Auxílio Educação", distribuídos
pela Secretaria Estadual de Educação
 (Seeduc). Desde o início da manhã, a categoria se concentrou na porta do supermercado
 e na Rua do Riachuelo, onde foi realizada uma panfletagem. A população foi bastante
receptiva e manifestou seu apoio à greve dos profissionais da rede estadual.

Com este cartão, lançado neste mês pelo governo do estado para aquisição de bens
culturais (livros, entradas de cinema, teatro etc.), o professor regente (o que trabalha
 em sala de aula) pode gastar até R$ 500,00 por ano em compras diversas. O cartão
não é oferecido aos funcionários nem aposentados.

O protesto teve como objetivo mostrar que a categoria precisa mesmo é de um reajuste
 salarial digno e o que o estado oferece hoje (piso de R$ 610), incluindo o cartão,
não dá para sobreviver com dignidade – por isso mesmo, o nome do protesto: “A
Educação estadual do Rio tem fome”.

TJ analisa pedido de liminar contra desconto da greve:

A 3ª Vara da Justiça da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Rio analisa na
 segunda-feira, dia 4, o pedido de liminar do Sepe contra o corte do ponto dos
 profissionais de educação do estado. Todas as partes foram convocadas para a audiência,
 mas os secretários de governo não compareceram. Apenas a Procuradoria do
Estado compareceu. O Ministério Público também compareceu. Com isso, nova audiência
 foi marcada para o dia 4 de julho. Para esta nova audiência, o juiz titular da 3ª Vara,
 Plínio Pinto Coelho, convocou em caráter de urgência os secretários de Planejamento
 e Educação.

Na audiência do dia 29/06, o Sepe defendeu o pedido de liminar em cima do direito
de greve do funcionário público. O sindicato falou também das más condições de
trabalho e dos baixos salários da rede estadual, que levaram os profissionais de
educação à greve; a falta de professores na rede também foi destacada na audiência.

Terça (dia 5 de julho) categoria fará passeata até o Palácio Guanabara:

Outra atividade dos profissionais em greve será realizada na terça-feira, dia 5,
quando a categoria realiza uma passeata até o Palácio Guanabara, com concentração
 no Largo do Machado a partir das 9h, para exigir uma audiência com o governador
 Cabral – em seguida à passeata, ocorrerá assembleia no clube Hebraica.

Calendário da greve nas escolas estaduais:

04/07 (segunda): Assembleias da categoria nos municípios e bairros da capital; vigília
à tarde para acompanhar a audiência no Tribunal de Justiça com os secretários
Sérgio Ruy (Planejamento) e Risolia (Educação) e a direção do Sepe para julgar o
pedido de liminar do Sepe contra o corte do ponto dos grevistas.

05/07 (terça): marcha até o Palácio Guanabara, com concentração no Largo do
Machado, às 9h. Logo após a marcha, ocorrerá assembleia no Clube Hebraica (Rua
das Laranjeiras, nº 346).

http://www.seperj.org.br/ver_noticia.php?cod_noticia=2217

Nenhum comentário:

Postar um comentário