****************** Um blog dedicado ao meus alunos da Rede Pública e Privada de Ensino. ******************

Resumo de "Revolução Francesa" In: A era das revoluções, Eric Hobsbawm

Terceiro Capítulo
A REVOLUÇÃO FRANCESA


I


         Enquanto a revolução industrial representou a revolução econômica acontecida no século XVIII, a revolução francesa representou a revolução política. Sua ‘obra’ foi a influência política que exerceu em todo mundo, a adoção de uma sistema comum de medidas e organização técnica.
         Suas especificidades são: a grande massa populacional, de cada 5 pessoas 1 era francesa na Europa; o caráter radical dessa revolução social de massa e a sua revolução ecumênica.
         Origens: Rivalidade econômica com a Grã-Bretanha (séc. XVIII); conflito entre a tradição (feudal) e as novas forças sociais; a nobreza isenta de impostos e que recebiam pensões prebendas (como raramente eram bons administradores, muitos perderam sua fortunas e passaram a usar sua influência para ocupar os cargos administrativos, exasperando principalmente a classe média que os ocupava, além disso ocuparam posições ditas como feudistas, exasperando o campesinato com cobranças excessivas de tributos); a grande população com pouca evolução técnica na exploração da terra, más safras conduziram a fome e inflação; crise financeira (guerra dos sete anos e revolução americana, criam uma dívida que grande parte da receita francesa).
         Soluções: vários economistas tentarem tiram os privilégios da nobreza, que não aceitam essa solução e convocam os Estados Gerais. O terceiro Estado não consegue se impor pois os votos são por Corpo e não por pessoas de cada Estado, persistindo assim o estado de crise. Até que o terceiro Estado, que representava 95% da população francesa, consegue a primeira vitória revolucionária. (p.78)
         “Em tempos de revolução, nada é mais poderoso do que a queda de símbolo” Hobsbawn, Eric
         1789 – Proclamação da Declaração dos direitos do homem e do cidadão (queda da Bastilha). Não era a favor de uma sociedade igualitária e democrática, pois não era adequada para uma burguesia que procurava se estabilizar no poder, e lutava por uma monarquia constitucionalizada. O caráter burguês da Declaração pode ser constatado pelo direito a propriedade assegurado pela Declaração.
         O “grande medo” envolvia a classe média e a aristocracia, que nutriam grande temor em ser atingidos pela revolução. Quando a máquina Estatal francesa ruiu, eles logo aceitaram a extinção de seus privilégios (1793). (p.80)
         A pressão da esquerda era cada vez maior. O grosso da classe média burguesa, por medo de perda de suas ‘conquistas’, passa a caracterizar-se como conservadora, pois a administração jacobina era muito radical e sem uma oposição para contrapo-la, desviaria do ideal de uma sociedade burguesa. (p.80)
         Entre os jacobinos encontravam-se os sansculottes, pequenos negociantes, comerciantes, artífices, lojistas, artesãos, que eram na verdade a principal força de choque da revolução jacobina –eram eles que realizavam efetivamente as manifestações, as barricadas, as agitações. Hobsbawn localiza-os entre os burgueses e os proletários.


II


         1789–1791  Vitoriosos, os burgueses liberais através da Assembléia constituinte proibiram os sindicatos e incentivaram os empresários rurais. A constituição de 1791 rechaçou a democracia, impondo o voto censitário através dos cidadãos ativos.
1792 – Proclamação da República, com o direito ao voto universal masculino e com os deputados do departamento mercantil de Gironda a frente do processo. O rei foi feito prisioneiro. O poder girondino baseava-se em sua grande belicosidade externa, franceses bem armados que ameaçavam invasão ao território francês.


III


         1793 – Os sansculottes, com seus métodos conseguiram mobilizar a massa populacional francesa, prometendo trazer em sua administração maior justiça social. A revolução jacobina, com Robspierre na liderança, liberta todos os escravos da colônias, para faze-los lutar contra os ingleses e aboli todos os direitos de origem feudal remanescentes. Ajudam os pequenos compradores a adquirir terras confiscadas dos emigrantes. O Estado francês, que estava sendo invadido pelo norte por alemães e pelo oeste por ingleses, retomou o território e ainda invadiu outros como a Bélgica. O aparelho militar cresceu muito e forçou a administração jacobina a exercer confiscos sistemáticos de alimentos e o congelamento de salários. Essas medidas impopulares tiram muito do apoio da massa aos jacobinos.
         Rosseau era um componente do comitê para salvação pública e sua obras muito apreciadas neste período.
         As execuções pela guilhotina que atingiram tanto a esquerda com a direita, isolaram Robspierre, deixando-o sem apoio popular e político. No novo calendário revolucionário, chegara o nono Termidor.


IV


         Como golpe do nove Termidor, o pântano assume o poder sem apoiar-se na esquerda ou na direita. Impopular, baseia sua sustentação nas vitórias externas conseguidas pelo exército, que também é responsável pela supressão dos periódicos golpes internos (lembrar Gracus Babefs).

         No glorioso e respeitado exército francês, destaca-se o jovem general Napoleão Bonaparte. Os deputados do pântano, sabendo que a sua situação não duraria muito tempo, provocam um golpe em que o exército tomaria o poder. No golpe do 18 Brumário, Napoleão Bonaparte ascende ao poder na figura de Cônsul da França.

Nenhum comentário:

Postar um comentário